Alunos do PROERD iniciam as aulas do segundo semestre

O PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas e Violência) atenderá neste segundo semestre aproximadamente 250 crianças da rede pública e privada. O Programa é desenvolvido pelo Cabo da Polícia Militar, Furtado, mais conhecido como Tio Suca, nos 5ºs anos do Ensino Fundamental, e seu objetivo é transmitir uma mensagem de valorização à vida e à importância de manter-se longe das drogas e da violência.
Todo o programa é pedagogicamente estruturado em lições, ministradas obrigatoriamente por um policial militar fardado, que, além de sua presença física em sala de aula como educador social, propicia um forte elo na comunidade escolar em que atua, fortalecendo o trinômio: Polícia Militar, Escola e Família, oferecendo, em linguagem acessível às faixas etárias que se direciona, uma variedade de atividades interativas, com a participação de grupos em aprendizado cooperativo; atividades que foram projetadas para estimular os estudantes a resolverem os principais problemas na fase em que se encontram vivendo.
O início de cada trabalho é feito com a reunião de pais, momento em que é reforçada a importância da amizade e supervisão dos pais com os filhos e, em seguida, iniciam-se as aulas, que, após concluído todo o material (cerca de dez aulas), as crianças recebem o certificado PROERD em uma cerimônia preparada com todo cuidado e zelo, ocasião que firmam o compromisso de manterem-se afastados e longe das drogas e da violência.
O Programa não invalida qualquer outro trabalho ou atividade de prevenção dirigida aos alunos como um todo, pois a cooperação da sociedade é fundamental nessa missão, bem como a participação efetiva da Prefeitura e do Empresariado, participação esta que constitui a sustentação econômica e financeira para a viabilidade e continuidade do PROERD, visando atender uma parcela cada vez mais significativa das crianças e adolescentes, criando dessa forma uma rede protetiva crescente contra as drogas (lícitas e ilícitas), bem como contra as atitudes que geram violência.
Talvez as drogas possam ser consideradas como o grande mal da humanidade, mas esse mal não está somente nas ruas e periferias, ele já se infiltrou em escolas, empresas e em todos os lugares onde estejam pessoas e ocasiões.
O despreparo de pais, amigos e autoridades que veem o dependente como um problema para sociedade potencializa o consumo e inicia comportamentos violentos.
Por tudo isso se faz necessária lucidez para lidar com a situação. As drogas existem desde sempre, as motivações para o consumo são desencadeadas por questões emocionais, sendo assim podemos dizer que os consumidores de remédios, álcool e cigarro são motivados pela mesma questão emocional daquelas dos consumidores de drogas ilícitas: maconha, cocaína e crak…
O que muda neste contexto é somente o caminho percorrido para compra, bem como os laudos emitidos que autorizam ou proíbem o consumo.
Trabalhar a prevenção de forma adequada é essencial nesta questão:
1- A prevenção primária quer evitar ou retardar a experimentação do uso de drogas. Portanto, refere-se ao trabalho que é feito junto aos alunos que ainda não experimentaram, ou jovens que estão na idade em que costumeiramente se inicia o uso.
2- A prevenção secundária tem como objetivo atingir as pessoas que já experimentaram e que fazem um uso ocasional de drogas, com intuito de evitar que o uso se torne nocivo, com possível evolução para dependência. Na prevenção secundária o acompanhamento conjunto com especialistas focais muitas vezes é indicado como uma forma preventiva de evitar danos maiores à saúde.
3- A prevenção terciária corresponde ao tratamento do uso nocivo ou da dependência. Portanto, este tipo de atenção deve ser feita por um profissional de saúde, cabendo a escola identificar e encaminhar tais casos.
Prevenir ainda é o melhor remédio.