Aulas presenciais foram retomadas na última terça-feira

O Governo do Estado reverteu a decisão judicial que suspendia o retorno das aulas presenciais para o dia 8 de fevereiro. A decisão foi proferida na sexta-feira (29) pelo Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Geraldo Francisco Pinheiro Franco.
Com isso, as 5,1 mil escolas da rede estadual ficam autorizadas a iniciar o ano letivo a partir do dia 8, enquanto que unidades particulares e municipais puderam retomar antes.
A Secretaria de Estado da Educação argumentou que cerca de 1,7 mil escolas estaduais em 314 municípios retomaram atividades presenciais em São Paulo desde setembro de 2020, sendo 800 na capital. Não houve nenhum registro de transmissão de coronavírus dentro dessas unidades até o momento.
Para garantir a segurança na retomada, o Estado distribuiu insumos destinados a estudantes e servidores, como 12 milhões de máscaras de tecido, mais de 440 mil protetores faciais de acrílico, 10.740 termômetros a laser, 10 mil totens de álcool em gel, 221 mil litros de sabonete líquido, 78 milhões de copos descartáveis, 112 mil litros de álcool em gel, 100 milhões de rolos de papel toalha e 1,8 milhão de rolos de papel higiênico.
Em Santa Cruz das Palmeiras, o retorno presencial das aulas ocorreu na manhã da última terça-feira (02). Segundo a Diretora de Educação, Flavia Sposito, em entrevista à Gazeta, na última segunda-feira (01), o município se preparou para tornar esse momento o mais seguro possível, atendendo todas as normas de segurança. Para isso, a direção escolar organizou várias reuniões com os pais de alunos para explicar a retomada das aulas e os cuidados que foram tomados. Na semana passada houve uma palestra de orientação para higienização e manutenção correta dos espaços escolares.
A iniciativa teve o intuito de capacitar os profissionais da área da educação (Escolas e Creches), as serventes de limpeza, para combater a disseminação do coronavírus após o retorno das aulas presenciais na Rede Municipal de Ensino.
A palestra contou com o apoio do Departamento Municipal de Educação, Flavia Spósito e do Diretor Municipal de Saúde, Luis Rafael Bueno, que, por meio de dois membros de sua equipe, Simone Cristina Rogatti – Serviços diversos, e Helena Paulo Turato – Técnica de enfermagem, abordaram os temas em questão.
As medidas a serem tomadas por todos os envolvidos são principalmente se preservarem com uso correto dos EPIs – Equipamento de Proteção Individual, destinado a proteção contra riscos capazes de ameaçar a segurança e a saúde, tais como: máscara, protetor facial, luvas, lavagem frequente das mãos com água e sabão, entre outros. Com relação à limpeza, haverá desinfecção e manutenção de todo o ambiente escolar, todas as superfícies, banheiros, lavatórios e vestiários antes da abertura, após o fechamento da escola.
Disse Flávia: “Lembramos que a responsabilidade é de todos, escola, comunidade e família dos alunos, cada qual cumprindo com a sua responsabilidade. Assim, esse retorno será tranquilo e a escola realmente será um lugar seguro para alunos, professores e colaboradores.”
Flávia salientou, ainda, que a volta não é obrigatória, os pais que não quiserem mandar os filhos para escola não tem problema, mas terá que fazer as lições em casa, juntamente com os professores, durante as aulas online.

Compartilhe:
Share on Facebook
Facebook